Seu, sua, seus, suas: exemplário

 

A presente matéria complementa outras duas exibidas neste saite:

Angloguesa e Angloguesa-II

Ambas versam sobre o uso do pronome pessoal seu e respectivas variantes, que costumam gerar dificuldades para quem não domina seu emprego em português. Sugere-se que sejam lidas antes do texto abaixo, para melhor esclarecimento das questões que suscitam.

Todos os exemplos foram coletados, de forma aleatória, em saites com alta exposição na internet.

A) Dois casos de ambiguidade

Exemplo 1

Babi diz que namoro com filho de Eike Batista não agradava sua mãe

http://www.uol.com.br.  Em 27/11/2014.

O lógico, na prática, é que o pronome aponte para o antecedente mais próximo, que, no caso, é “Eike Batista”.

Mas neste caso, diante do todo, o leitor hesita: mãe de quem? Porque o enunciado é evidentemente dúbio, ambíguo.

A ambiguidade decorre de o pronome apontar para três antecedentes, o que induz a três possíveis interpretações: a mãe pode ser (1) de “Eike Batista”, (2) do “filho” de Eike Batista e da (3) própria “Babi”.

Presume-se que ― na intenção do enunciador ― o sintagma “sua mãe” se refira à própria “Babi”. Nesse caso, uma alternativa clara do fragmento final seria:

Babi diz [...] não agradava a própria mãe.

Ou, ainda:

Babi diz [...] não agradava a mãe dela.

Exemplo 2

Gio Antonelli fará par com Bruno Gagliasso em novela dirigida pelo seu marido

http://www.globo.com. Em 10/06/2016.

 

Aqui, o sintagma “seu marido” tem dois antecedentes: “Gio Antonelli” e “Bruno Gagliasso”; como este é o mais próximo, induz o leitor a relacionar com ele o pronome.

Para decidir sobre a correta referência do pronome, o leitor deve saber ou adivinhar ― nesta época de confusas homo e heterofobias ― o gênero de “Bruno Gagliasso”. Só assim poderá concluir que o “marido” não é dele, mas de “Gio Antonelli”.

Aí está um exemplo da incapacidade do redator de escolher a alternativa adequada, proporcionada pela língua, para que o ator não acabe ganhando um marido, que não tem.

Evidencia-se que o conhecimento da língua, aliado à atenção, é que deve orientar o bom enunciador para evitar dúvida e confusão.

B) Casos de desnecessidade

Um dos princípios da comunicação verbal implica a economia, a qual consiste no emprego de todas as palavras necessárias, mas, se possível, apenas elas e não mais que elas. Excluem-se casos especiais de ênfase, que fogem ao nosso tema atual.

Por isso, um dos cuidados importantes de quem redige consiste em saber o que cortar, no produção do discurso, para que ele produza os efeitos desejados.

Nos exemplos abaixo, o pronome seu (e possíveis variantes) é absolutamente desnecessário em português, embora talvez não o fosse em inglês… Basta sua eliminação, e acréscimo, quando necessário, do artigo definido adequado.

Vale repetir aqui o ensinamento de Rocha Lima[1], já citado em Angloguesa I: “Suprimir possessivos dispensáveis é dar concisão e elegância ao que se expressa”.

[1] Gramática normativa da língua portuguesa. 15. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1972. p. 292.

Exemplo 3

Genoino deixa prisão para cumprir o resto de sua pena em casa.

http://www1.folha.uol.com.br. Em 14/08/2013.

É suficiente dizer: … o resto da pena em casa.

Exemplo 4

Janot defende que Genoino fique preso em sua casa.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp. Em 05/06/2014.

É suficiente dizer: …  preso em casa.

Exemplo 5

Eduardo Cunha anuncia sua renúncia à presidência da Câmara

http://www.uol.com.br. Em 07/07/2016.

É suficiente dizer: …  anuncia a renúncia…

Exemplo 6

Sophie Charlotte fala como escolheu ter o seu filho em casa.

http://www.uol.com.br. Em 08/12/2016.

É suficiente dizer: …  ter o filho em casa.

Exemplo 7

Bárbara Evans posa com o seu namorado e mostra boa forma.

http://www.globo.com. Em 11/03/2016.

É suficiente dizer: …  com o namorado...

Exemplo 8

Peru terá hoje suas eleições presidenciais.

http://www.globo.com. Em 09/04/2016.

É suficiente dizer: … terá hoje eleições…

Exemplo 9

Senador e seu filho têm R$ 10,4 mi bloqueados.

http://www.uol.com.br. Em 17/02/2016.

É suficiente dizer: .. Senador e filho

C) Um caso de autocorreção

Exemplo 10

Magrinha, Patrícia Poeta curte festival em SP com o seu filho: ‘Meu grandão’

http://www.globo.com. Em 13/03/2016 ― às 7h 45min

Magrinha, Patrícia Poeta curte festival em SP com o filho adolescente: ‘Meu grandão’

http://www.globo.com. Em 13/03/2016 ― às 10h 41min

Exemplar o crivo adotado pela Globo, que, na mesma manhã e sobre a mesma matéria, estampou dois lides, o segundo corrigindo e melhorando o primeiro.

Se o leitor os comparar, verá que o segundo é superior ao primeiro, tanto quanto à correção como quanto à clareza semântica, inclusive porque acrescenta um contraste enfático entre adolescente x meu grandão.

Isso demonstra que não basta ir escrevendo, mas é necessário buscar qualidade.


Deixe um comentário

Comentários são bem-vindos. Sua edição dependerá da disponibilidade do administrador.

Para comunicações pessoais use: .